Bootlegs de Rammstein

Die Wasserreise
Die Wasserreise
Brachiale Gewalt
Brachiale Gewalt
Brachialste Gewalt
Brachialste Gewalt
Dance Hits Remixes
Dance Hits Remixes
Das Spiel Mit Dem Feuer
Das Spiel Mit Dem Feuer
Die Schwarze Tanzen
Die Schwarze Tanzen
Rammstein Gold
Gold
Greatest Hits 2000
Greatest Hits 2000
Hallo Hallo
Hallo Hallo
Im Reich Der Sonne
Im Reich Der Sonne
Kein Engel
Kein Engel
Koln Brennt Live
Koln Brennt Live
Live At The Max
Live At The Max
Lyon In Flammen
Lyon In Flammen
Muttertag
Muttertag
Söhne Von Deutschland
Söhne Von Deutschland
Totes Fleisch
Totes Fleisch
Verbrannte Erde
Verbrannte Erde
Tatu Rammstein Pruzinski
Tatu Rammstein Pruzinski
Battery - A tribute to Rammstein
Battery – A tribute to Rammstein
Zemfira Rammstein
Zemfira & Rammstein
Asche zu Asche (Aufgenommen 97)
Asche zu Asche (Aufgenommen 97)
Feuerstein
Feuerstein
Vater Remix
Vater Remix
Millenium Hits
Millenium Hits
Mutter Remix
Mutter Remix
Der Musikalische Staub
Der Musikalische Staub
Golden Collection 2000
Golden Collection 2000
Sohne von Deutschland
Sohne von Deutschland
Best Of 99
Best Of 99
Heineken Music Hall
Heineken Music Hall

Pinkpop Landgraaf
Pinkpop Landgraaf
Propheten der Apokalypse
Propheten der Apokalypse
5/4 B-Sides
5/4 B-Sides
Am Anfang war das Feuer
Am Anfang war das Feuer
St. Petersburg Bootleg
St. Petersburg Bootleg

Bootlegs são gravações não autorizadas de áudio ou vídeo do trabalho de um artista ou banda musical, podendo ser realizadas directamente de um concerto ou de uma transmissão via rádio/televisão. Estes últimos podem incluir entrevistas e materiais inéditos, que foram descartados por serem considerados inadequados para um produto comercial, bem como passagens de som, ensaios, etc.

Bootleg versus Pirataria

Conceitualmente, “bootlegging” (produzir , distribuir , ou vender bootlegs sem autorização, “ilegalmente”) não deve ser confundido com a pirataria. Pirataria é o ato de fazer e negociar cópias ilegais de material oficialmente disponível. Os materiais contidos nos bootlegs não foram ainda lançados para o comércio, não estando, portanto, disponíveis para compra, embora em alguns casos possa ser observada a ocorrência de um registro no comércio simulando uma tiragem oficial (uma raridade). Porém, devido à disponibilidade difundida dos CDs-R, a maioria vasta deles somente está disponível através de linhas “não-oficiais” das comunidades negociadoras, em um esquema em que não há envolvimento financeiro, baseado na troca 2:1 (dois CD-R vazios para cada CD-R gravado). Apesar da discussão sobre a legalidade desses bootlegs, existe uma legislação de combate à ambos.

Evolução do Bootleg

Era comum nos anos 1970, 1980 e 1990 colecionadores dispenderem de vultosas quantias para obterem alguma gravação de seu artista favorito. Alguns bootlegs possuíam edições muito limitadas, o que o tornava mais concorrido e valioso. Fãs faziam trocas entre si para obter o máximo de gravações possíveis. Trocava-se cópias em fita cassette e VHS, que por serem mídias analógicas, quanto mais se multiplicassem, maior seria o desgaste de qualidade e, portanto, sempre era – e ainda é – importante indicar a que “geração” pertencia a gravação, como por exemplo: “2ª geração = cópia da cópia da fita mestre”. Com a introdução das primeiras mídias digitais, como o DAT e o MiniDisc, as gravações das mídias mestres seriam exatamente as mesmas em suas duplicatas, já que a perda de qualidade era quase zero. O meio de envio geralmente era pelas agências de postagens. Hoje, com a Internet, já é possível obter bootlegs sem despesas de envio e de mídias. O protocolo P2P (Peer To Peer) garantiu o fácil compartilhamento entre os usuários.

Para mais informações sobre bootlegs, podem consultar a Wikipedia.