Letra da Frühling in Paris com Tradução em Português

Im Lichtkleid kam sie auf mich zu
ich weiß es noch wie heut’:
Ich war so jung,
hab’ mich geniert
doch hab’ es nie bereut.

Sie rief mir Worte ins Gesicht,
die Zunge lustgesträubt;
verstand nur ihre Sprache nicht;
ich hab’ es nicht bereut.

Oh non rien de rien
Oh non je ne regrette rien

Wenn ich ihre Haut verließ -
der Frühling blutet in Paris.

Ich kannte meinen Körper nicht
den Anblick so gescheut
sie hat ihn mir bei Licht gezeigt
ich hab es nie bereut

Die Lippen oft verkauft, doch weich
und ewig sie berühr’n
Wenn ich ihren Mund verließ
Dann fing ich an zu frier’n

Sie rief mir Worte ins Gesicht,
die Zunge lustgesträubt;
verstand nur ihre Sprache nicht;
ich hab’ es nicht bereut.

Oh non rien de rien
Oh non je ne regrette rien

Wenn ich ihre Haut verließ -
der Frühling blutet in Paris.

Ein Flüstern fiel mir in den Schoß
und führte feinen Klang
hat viel geredet nichts gesagt
und fühlte sich gut an

Sie rief mir Worte ins Gesicht
und hat sich tief verbeugt
verstand nur ihre Sprache nicht;
ich hab’ es nicht bereut.

Oh non rien de rien
Oh non je ne regrette rien

Wenn ich ihre Haut verließ -
der Frühling blutet in Paris. 

Lyric © Rammstein
De vestido claro ela veio até mim
lembro como se fosse hoje
eu era tão jovem
e a sentir-me embaraçado
mas mesmo assim nunca me arrependi

Ela disse-me palavras na cara
a língua de pêlos com vontade
apenas não compreendia a língua dela
eu não me arrependi

Oh não, não há nada de nada
Oh não, não me arrependo de nada

Quando eu saí da sua pele
a Primavera sangrou em Paris

Eu não sabia que meu corpo
era tão envergonhado só de olhar
ela mostrou-mo a mim mesmo na luz
eu nunca me arrependi

Os lábios são as vezes vendidos, mas suaves
e toquei-lhes eternamente
quando saí da sua boca
então comecei a gelar

Ela disse-me palavras na cara
a língua de pêlos com vontade
apenas não compreendia a língua dela
eu não me arrependi

Oh não, não há nada de nada
Oh não, não me arrependo de nada

Quando eu saí da sua pele
a Primavera sangrou em Paris

Um sussurro caiu-me no colo
e introduziu um som agradável
falando muito mas sem dizer nada
e eu senti-me bem

Ela disse-me palavras na cara
a língua de pêlos com vontade
apenas não compreendia a língua dela
eu não me arrependi

Oh não, não há nada de nada
Oh não, não me arrependo de nada

Quando eu saí da sua pele
a Primavera sangrou em Paris

Tradução © rammstuga.com